Data de Fundação: 20 de Janeiro de 1758

258 anos de história!

Em Santo Antônio do Monte...


População: 27.752 (IBGE 2015)
Taxa de crescimento anual estimada: 2,0% (IBGE)
População masculina: 13.205 = 50,81% (IBGE 2010)
População feminina: 12.784 = 49,19% (IBGE 2010)
População Urbana: 22.205 = 85,44% (IBGE 2010)
População Rural: 3.784 = 14,56% (IBGE 2010)
Número de Eleitores: 17.438 (TSE - Novembro/2009)
IDH: 0,779 médio (Fonte PNDU 2000 Brasil)
IDHM: 0,724 médio (Fonte ONU 2013)
PIB: R$ 176.976.000 (IBGE 2005)
Renda per capita: R$ 6.575,00 (IBGE 2005)
Localização: região centro-oeste de Minas Gerais
Área: 1.125,78 km² (IBGE 2015)
Densidade demográfica: 23,07 hab/km² (IBGE 2015)
Altitude: 1.052 m
Fuso horário: UTC-3
Latitude: -20° 05' 14''
Longitude: 45° 17' 37''

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

Mineirês - O Dialeto Mineiro


Casualmente, encontrei vários exemplos do dialeto falado em Minas Gerais e, entao, fiz algumas pesquisas em variados sítios de internet para ver o que já foi escrito até agora sobre este assunto. Algumas vezes, o assunto é tratado como piada; outras, contudo, é tratado com seriedade sob o ponto de vista da linguística. Neste sentido, segue abaixo a definição dada em artigo sobre a língua portuguesa na Wikipedia:
“O mineiro, mineirês ou montanhês é o dialeto do português brasileiro falado na região central do estado de Minas Gerais. Essa variante, que ocupa uma área que corresponde aproximadamente ao Quadrilátero Ferrífero, incluindo-se a fala da capital, Belo Horizonte, é um dos dialetos mais facilmente distinguíveis do português brasileiro.
Ele deve ser diferenciado do dialeto caipira, que cobre áreas do interior de São Paulo, Paraná e das regiões sul do próprio estado por receber influência do interior de São Paulo.
A característica do dialeto montanhês apareceu durante o século XIX, após a decadência da mineração, quando o estado foi largamente esquecido (inclusive pelos próprios governantes estaduais que centralizaram, excessivamente, a administração do Estado à região central), com seu acesso ao mar bloqueado por florestas e altas montanhas. Devido a esse isolamento, o estado sofreu influência do dialeto do Rio de Janeiro no sudeste, enquanto o sul e a região do Triângulo Mineiro, passaram a falar o dialeto caipira, de São Paulo (Com o "R" retroflexo). A região central de Minas Gerais, contudo, desenvolveu um dialeto próprio, que é o conhecido dialeto mineiro ou montanhês. Este dialeto está também presente nas cidades de Patos de Minas, Governador Valadares, Ipatinga... (Essas duas últimas de sotaque pouco acentuado.) Sendo uma exceção no Triângulo Mineiro entre as cidades que falam formalmente o dialeto caipira.
O dialeto mineiro apresenta as seguintes particularidades fonéticas:
1 - Apócope das vogais curtas: parte é pronunciado part' (com o "t" levemente sibilado).
2 - Assimilação de
vogais consecutivas: o urubu passa a ser u rubu.
3 - Permutação de "e" em "i" e de "o" em "u" quando são vogais curtas
4 - Aférese do "e" em palavras iniciadas por "es": esporte torna-se sportchi.
5 - Apócope do "d" nos gerúndios: chovendo passa a ser chuvenu. Cantando passa a ser cantanu. Fazendo passa a ser fazenu. Tomate passa ser tumat' (com o "t" levemente sibilado).
6 - Somente o artigo é flexionado no plural, à semelhança do
caipira: os livros é dito us livru. Meus filhos se pronuncia meus filhu.
7 - Contração freqüente de locuções: abra as asas passa a ser abrazaza.
8 - Alguns
ditongos passam a ser vogais longas: fio converte-se em fii, pouco é dito poco.
9 - Algumas
sílabas são fundidas em outras. -lho passa a ser i (filho ==> fii), -inho converte-se em -inh (pinho ==> pinh).
10 - "r" é pronunciado como uma
consoante aspirada: rato.
11 - Sonorização do "s" final antes de vogal.
A letra R no final das sílabas também possui uma sonorização única quase imperceptível, apesar de que nas maiores cidades é um pouco similar ao R aspirado pronunciado no Rio de Janeiro, Norte e Nordeste do país. Já nas proximidades da divisa com o estado de São Paulo o R (no final das sílabas) sofre a influência do interior de São Paulo.
Muitas palavras costumam ser representadas no plural de uma forma muito especial. O "S" no início da palavra (representados por S ou Z) e não no final como é comum em vários idiomas.
Exemplos:
Quét' s'criança! (Mãe pedindo às crianças que se calem).
Conta Z'óra? (Alguem perguntando quantas horas são).
S'trudia (Advérbio de tempo: "há alguns dias atrás").
As'fruta 'tão 'pudrecen tud' (Todas as frutas estão apodrecendo).
Historicamente se nota claramente que a presença do S ou Z no início da palavra é causada pela junção do artigo no plural com o substantivo que com o passar do tempo soltou-se do artigo e juntou-se ao substantivo.”
De todas as abordagens sobre o dialeto mineiro, esta acima foi a mais consistente e cientifíca. Quanto aos exemplos que seguem, de uma maneira geral todo e qualquer mineiro consegue entender o que está escrito sem a menor dificuldade.
Outro ponto importante a considerar é que o dialeto mineiro se aproxima muito do dialeto caipira, o qual é falado no interior do estado de São Paulo e ainda em regiões dos estados de Goiás, Mato Grosso do Sul e Paraná.
Assim, não restam dúvidas de que o falar dos mineiros é próprio, da mesma forma que o falar dos gaúchos, paulistas, cariocas, baianos etc também é próprio, tendo cada um características próprias. Tais características, entretanto, não dificultam o entendimento entre um paraibano e um gaúcho, ou entre um rondoniano e um carioca. Portanto, a língua falada em todo o Brasil é a língua portuguesa a qual, em cada região, assumiu características próprias e específicas. Talvez um estudo mais aprofundado pudesse apontar maiores ou menores diferenças no que se refere à estrutura gramatical e fonética da falar de cada região e, neste caso específico, do dialeto falado em Minas Gerais.

Apresentações

Cuméquecêchama? = Qual o seu nome?
Doncêé? = De onde você é?
Oncêmor = Onde você mora?
Proncêvai? = Pra onde você vai?

Cumprimentos

Dia! = Bom dia
Tardi! = Boa tarde
Noiti! = Boa noite
Inté = Até logo
Bença (ou Bênçu) = A benção, minha mãe (ou meu pai).
Dêsabençôi (ou Dêstibençôi) = Que Deus te abençôe, meu Filho (a).

Pedindo informações

Onquié = onde que é?
Oncotô? = onde estou?
Proncovô? = para onde devo ir?
Logali (Logo ali) = fica a uns trinta quilômetros, mais ou menos
Dexovê (deixa ver) = não tenho a mínima idéia
Tremdifer = trem
Trem = qualquer coisa cujo nome a pessoa ignora, esqueceu ou acha que você é burro demais para conhecer ou entender.
Oncêtá? = Onde você está?
Prônostam'ínu = para onde nos estamos indo?
Ondéopondiônz? = Onde é o ponto de ônibus?

Lugares

Pondionz = ponto de ônibus
Ponditáxi = ponto de táxi
Berádurrii = próximo ao rio

Fazendo compras

Quêjo prus minêro é qui nem arroiz pro japonêis.
Quanté? = quanto custa?
Derrear = Dez Reais
Baratim = (deixa ver se eu adivinho quanto esse otário está disposto a pagar)
Lidilei = litro de leite
Kidicar = kilo de carne
Mastumati = massa de tomate
Pincumél = pinga com mel
Vidiperfumi = vidro de perfume
Pasdidenti = dentifrício
Iscodidente = escova de dente
Mascote = sanduíche
Cazopô = caixa de isopor
Grá di cerveja = engradado de cerveja

A família

Meu fii = meu filho
Meu tchi = meu tio
M’ia muié = minha esposa
M’ia amiga = minha amante
Mermão = meu irmão

O tempo

Trudia = outro dia
Antonte = antes de ontem
Ansdionti = antes de ontem
Séssetembro = sete de setembro
Sápassado = sabado passado
Sesquivem = sexta que vêm
Quioração = Que horas são?
Tá cum jeidi chuva = (cansei dessa conversa besta e vou embora)
Quánahora = quase na hora
É rapidim = vai demorar algumas horas ainda

Conversa informal

Ê trem bão = Gostei disso
Vai cagá di morro abaixo pra vê a bosta rolá = A pior e mais definitiva ofensa que se pode dizer a uma pessoa
Nossinhora = nossa senhora ('Nuss' em minerês avançado...)
Credeuspai = meu Deus!
Vixxxxxxx = Interjeição mineira de concordância ou espanto.
Doidimais = doido demais
Oncotô = onde eu me encontro, por favor, estou meio perdido hoje...
Pópopoquin = pode colocar mais um pouco...
Oiuchero = olha o cheiro
Óssócêvê = olhe só para você ver
Tissodaí = tira isso daí
Cê num some não = pode tirar o cavalinho da chuva OU "o que que esse imbecil ta achando que é?"
Fiidazunha = Xingamento equivalente ao de baixo
Fiidaputa = impressionante, grande, excepcional
Cê é muito feladaputa mermo, né? = você é uma pessoa divertida, gosto de você
Uai = interjeição mineira de espanto: uai é uai, uai!
Nó = Nossa Sinhora, Mãe do Céu, Ave Maria!
Nú = Nossa Senhora Aparecida do Perpétuo Socorro
Nusga = Nossa Senhora Aparecida do Perpétuo Socorro Mãe de Deus e dos Pecadores
Né = Não é mesmo?
Bão tamém! = com certeza, concordo com você OU ENTÃO "deixa ficar quieto para ninguém ver que eu falei besteira".
Bora? = vamos embora?
Sucêfôeuvô = se você for eu vou
Tô atrais do cê = vai primeiro, que vou depois
Bora = e lá vamos nós!
Faznão = Não faça isso.
Réda = Afaste-se, por favor.
Quê c’o cê qué intão? = Então, o que você quer?
Brigado ocêis! = Obrigado a vocês!

Outros exemplos

Você comprou as roupas que eu lhe pedi? = Cê comprô as ropa qu'eu tch pidji?
Quantos anos você tem? = Quan zan 'cê tem?
O que é que ela falou? = Que qu'ela falô?
Eu vou à praça com você. = Eu vô na práss c'ocê.
Ele comprou aqueles cadernos para você = Ei' comprô aquês cadern pr'ôcê.
Eu estou ajudando-a a carregar as malas. = Eu tô ajudãn ela carregá as mala.
Eu gosto de você. = Gós d'ôcê.
Eu sou de Belo Horizonte. = Eu sô de Belurizontch.
Quem é você? = Quem 'qu'é ocê?
Que horas são? = Conta zora?
Sábado Passado... = Sá'passad'.
Você é daqui mesmo? = Cê'dakimês???
Usar sempre "i" no lugar de "e". Ex.: MININO, ISPECIAL, EU I ELA, VISTIDO
Dizer "ÉMÊZZ?" quando quiser uma confirmação.
Se quiser chamar atenção diga simplesmente ÓI QUIÓ.
Se estiver com fome coma PÃO DJI QUEJJ. Ex.: dois PÃO DJI QUEJJ e dois guaraná...
Na falta de vocabulário específico utilizar a palavra TREM que serve pra tudo, exceto como meio de transporte ferroviário. Neste caso, é TROÇO.
Se aprovar alguma coisa solte um sonoro MAIS QUI BELÊZZ!
Pra fazer café, primeiro pergunte PÓPÔPÓ? Achou pouco, ficou ralo? Pergunte: PÓPÔ MAPOQUIM DIPÓ?
Se não estiver certo de comparecer, diga simplesmente CONFÓFÔ EU VÔ, que quer dizer: conforme for, eu vou.
Se o motivo da dúvida for algo que você tem que fazer, explique, "Vou fazer um NIGUCIM e volto logo".
Ao procurar alguém que concorde com você, dispare um NÉMÊZZ?
Use a expresão aumentativa DIMÁI DA CONTA. Ex.: ISSÉ BÃO DIMÁI DA CONTA. CÊÉ BOBO DIMÁI DA CONTA.
Usar sempre duas negativas prá deixar claro que você não sabe do que está falando: "NUM sei NÃO".
Use sempre o diminutivo INN, tipo PIQUINININN, LUGARZINN, BOLINN, MINEIRINN...
Use a expressão RAPÁI pra iniciar uma exclamação. Nem sempre é necessário complemento. Ex.: RAPAAAI...
REDÁ: Mesma coisa de RASTÁ. Ex.: JUDA REDÁ ESS TREM AQUI Ó...
Ao terminar uma frase, conclua com a palavra SÔ.
Se alguém der cinco, supere e diga, DÔSSÊIS ou PROSSÊIS

Referências bibliográficas:
Yahoo Answers
Wikipédia Brasil
Confiar 2001

Nilson Antônio da Silva

4 comentários:

  1. Kkkkkkkkkkkkk nem é assim. Eu moro no interior de Minas e posso te dizer que fala assim quem quer! O português do mineiro é bem diferente, mas você exagerou um pouquinho.

    ResponderExcluir
  2. Legal, vai servir para meu trabalho de Variação Linguística da Faculdade :D

    ResponderExcluir